Newness, novo filme do diretor Drake Doremus e estrelado pelo Nicholas, foi exibido para os críticos no Sundance Film Festival. O Collider publicou sua review sobre o filme. Confira:

ATENÇÃO: O TEXTO CONTÉM SPOILERS!

Amor é uma emoção universal. É algo que cada ser humano pode se identificar, e é por isso que muitas das melhores obras de arte são sobre este tópico. O cineasta Drake Doremus tem uma habilidade para abordar o amor de forma íntima, colocando sua própria rotação em um relacionamento específico em cada sucessivo filme. Like Crazy abordou o amor jovem e as relações a longa distância; Breathe In o amor crônico proibido; E Equals, do ano passado, destacou a própria emoção específica contra um amplo cenário sci-fi. Mas para seu último filme, Newness, Doremus zera no ato de amar, enquanto narra como é navegar em relacionamentos na era dos apps de namoro e gratificação instantânea. O filme explora uma relação muito específica com uma intimidade envolvente que está presente em seus filmes anteriores, repleto de imagens impressionantes e altas emoções, tudo impulsionado por um par de performances fantásticas de Nicholas Hoult e a recém-chegada Laia Costa.

Hoult interpreta Martin, um farmacêutico que está até os joelhos no hábito de usar um novo aplicativo de encontros. Viver em Nova York dá a Martin abundância para escolher, e estes encontros de uma noite oferecem uma nova maneira de se aproximar de relacionamentos – que é o que ele está procurando após um curto casamento que terminou mal. Costa, por sua vez, interpreta Gabi, uma jovem que também mora em Nova York, e  usa o mesmo aplicativo de encontros, que até se aventura em vários encontros em uma noite. Por sorte, em uma noite particular, tanto Martin como Gabi “deslizaram para a direita” um para o outro, e eles vão a um encontro que os pega conversando, beijando e transando até as primeiras horas da manhã.

Foi neste momento que eu percebi que o filme nos daria detalhes do inicio do relacionamento, focalizando naquela fase “clara e brilhante” quando tudo se parece novo e você não pode ficar longe de seu parceiro. Refrescantemente, Doremus não faz isso. Em vez disso, ele foca sobre os estágios iniciais para chegar à fase “chata” de um relacionamento, quando você está instalado, confortável e, finalmente, em um lugar onde você preferiria dormir do que ter relações sexuais.

É aqui onde se concentra o foco de Newness, aquela parte de um relacionamento onde você realmente tem que lutar por ele. Infelizmente para Martin e Gabi, meses de gratificação instantânea e constante novidades em seu app de encontros tornam este período de adaptação bastante difícil. Depois de uma fase difícil bastante séria, os dois decidem tentar um relacionamento aberto, incitando-se mutuamente  em vários encontros sexuais que envolvem estranhos. É um band-aid sobre um vazamento de água, e logo esse vazamento transborda e arruina tudo à sua vista.

Newness carrega a mesma intimidade que permeia os outros filmes de Doremus, mas essa reviravolta em uma história de amor tradicional – a decisão de não procurar no Google e ir direto para um relacionamento confortável – prova ser uma arena frutífera para a sua marca de cineasta. O diretor está trabalhando a partir de um roteiro do frequente colaborador Ben York Jones, mas Newness também possui um cinematógrafo (Sean Stiegmeier) e compositor (Gwilym Gold) diferentes dos esforços anteriores de Doremus.  Dado que o impacto do trabalho anterior de Doremus descansou em parte no concerto da trilha sonora e da impressionante cinematografia, estava curioso para ver que efeito esta mudança teve no filme. Como se vê, a cinematografia é adequadamente claustrofóbica e linda ao mesmo tempo, e a trilha sonora sublinha maravilhosamente as questões de um jovem relacionamento. Que este ainda se parece como um filme de Drake Doremus, apesar de ter diferentes colaboradores nos bastidores, é um testamento à sua clareza de visão e execução como um cineasta.

E em termos do elenco, Nicholas Hoult tem feito um trabalho fantástico por anos, mas ele é delicado aqui. É uma de suas melhores performances até agora  enquanto ele é capaz de mostrar o remorso de Martin e a ansiedade sem infundir o filme com um protagonista depressivo. É um desempenho cada vez mais complexo, já que Martin é impedido por uma variedade de emoções – algumas contraditórias -, mas Hoult atinge a nota perfeita, culminando em uma emotiva cena final que ainda não consigo tirar da cabeça.

Costa, também, é impressionante como a graciosa e infecciosamente charmosa Gabi, e de fato Doremus tem uma habilidade para lapidar as brutas e complicadas performances de seus atores. Torna-se um pouco frustrante ver Gabi falhar em sua luta para ser monogâmica tão freqüentemente (Martin também sofre de problemas semelhantes, mas seu arco tem mais a ver com seus sentimentos por sua ex-mulher), mas isso não é culpa do filme. Ela é uma personagem complicada e a combinação de Gabi e Martin cria um drama convincente – mesmo se você quiser gritar para ambos resolverem suas merdas e ficarem juntos.

Tal como Equals e Breathe In, Newness também conta com algumas memoráveis atuações de apoio como as de Danny Huston e Matthew Gray Gubler. Doremus tem tal talento para atrair intensa intimidade de personagens, mesmo que eles tenham um tempo de tela limitado, e enquanto Equals lhe ofereceu a oportunidade de brincar em um universo de sci-fi, eu ainda estou ansioso para vê-lo trazer este nível de personagem para uma muito mais tradicional trama focada na narrativa. Newness é um passo nessa direção, uma vez que trata de relacionamentos de uma maneira única, mas apenas testemunhando o quanto Doremus é capaz de extrair desses artistas em papéis tão pequenos é um puro deleite.

Newness marca uma entrada movimentada, envolvente e sim emocionalmente carregada na filmografia de Doremus, e se você é um fã de seus outros filmes ou não, eu acho que você vai descobrir que este é um prazer de se ver. Além disso, como Doremus estreita seu foco universal no amor para um relacionamento muito complicado, ele bate em algumas verdades que, sem dúvida, lhe atingirá.

Relacionamentos são difíceis. Amar é trabalhoso. Você não leva simplesmente aqueles primeiros meses de novidades com você ao longo dos anos, então você leva tempo e esforço para realmente, verdadeiramente amar alguém. Você pode passar toda a sua vida procurando por novidades, mas você vai acabar sozinho e insatisfeito. E embora possa ser difícil, o amor de um relacionamento de longo prazo é muito mais satifatório e gratificante do que qualquer coisa daqueles primeiros meses. Essa é uma lição difícil de aprender para alguns, especialmente Martin e Gabi, mas a Newness oferece esperança de que o amor é possível – e alcançável – na era digital. Se você está disposto a lutar por isso.

Classificação: B+

Newness ainda não tem uma data de lançamento.

Fonte | Tradução: Bruna – NHBR